Artes (com) trastes e traquinagens


18/12/2006


 

 

 

Escrito por Sayô & Shara às 21h23
[ ] [ envie esta mensagem ]

05/04/2006


 

 

 

 

 

VISÃO DE CLARICE LISPECTOR


Clarice,
veio de um mistério, partiu para outro.
Ficamos sem saber a essência do mistério.
Ou o mistério não era essencial,
era Clarice viajando nele.
Era Clarice bulindo no fundo mais fundo,
onde a palavra parece encontrar
sua razão de ser, e retratar o homem.
O que Clarice disse, o que Clarice
viveu por nós em forma de história
em forma de sonho de história
em forma de sonho de sonho de história
(no meio havia uma barata
ou um anjo?)
não sabemos repetir nem inventar.
São coisas, são jóias particulares de Clarice
que usamos de empréstimo, ela dona de tudo.
Clarice não foi um lugar-comum,
carteira de identidade, retrato.
De Chirico a pintou? Pois sim.
O mais puro retrato de Clarice
só se pode encontrá-lo atrás da nuvem
que o avião cortou, não se percebe mais.
De Clarice guardamos gestos. Gestos,
tentativas de Clarice sair de Clarice
para ser igual a nós todos
em cortesia, cuidados, providências.
Clarice não saiu, mesmo sorrindo.
Dentro dela
o que havia de salões, escadarias,
tetos fosforescentes, longas estepes,
zimbórios, pontes do Recife em bruma envoltas,
formava um país, o país onde Clarice
vivia, só e ardente, construindo fábulas.
Não podíamos reter Clarice em nosso chão
salpicado de compromissos. Os papéis,
os cumprimentos falavam em agora,
edições, possíveis coquetéis
à beira do abismo.
Levitando acima do abismo Clarice riscava
um sulco rubro e cinza no ar e fascinava.
Fascinava-nos, apenas.
Deixamos para compreendê-la mais tarde.
Mais tarde, um dia... saberemos amar Clarice

 

Carlos Drummond de Andrade

 

 

 

 

"Afinal, quem foi Clarice Lispector - este mito que sobrevive às próprias recordações daqueles que a conheceram, e transcende qualquer adjetivo literário? Ela sempre fez questão de dizer que era uma mulher simples, uma mãe coruja, uma amiga generosa. Os livros foram nascendo entre uma mamada e outra, enquanto ela tentava "ser" neste mundo. Mas toda sua obra surgiu despretensiosamente, com o silêncio da concha que carrega no seu mais íntimo, o grão de areia a tornar-se pérola.
A história de vida de Clarice Lispector é toda feita de aventuras, e - por que não dizer? - tentativas de sobrevivência"

 

 

 

Com a homenagem de Carlos Drummond de Andrade encerro a  semana com Clarice Lispector.

Mooooooooooooooooooooorta de saudade !!!!


Meu beijo em cada um que aqui passou,

S a Y ô

Escrito por Sayô & Shara às 10h33
[ ] [ envie esta mensagem ]

04/04/2006


 

 

 

 

 

 

Eternidade:

 pois tudo o que é nunca começou.

Minha pequena cabeça tão limitada estala ao pensar em alguma coisa

que

não

 começa

e

não

 termina.

 

 

 

Clarice Lispector

Escrito por Sayô & Shara às 08h18
[ ] [ envie esta mensagem ]


Artes (com) trastes e traquinagens

Nós, Sayonara e Shara, resolvemos criar um blog que fale mais da vida, das relações entre as pessoas,das questões que envolvem o nosso mundo,especialmente sobre a poesia,a música, a dança...
Queremos falar das coisas cotidianas, das nossas coisas, não para falar do mundo privado pelo mundo privado, como no Big Brother Brasil, mas para falar das coisas que façam as pessoas olharem para o mundo externo, aquele que nos provoca, nos faz pensar e nos mobiliza a olhar para nós mesmos.
A arte com singularidade nos possibilita isso, sair de si e entrar no universo de múltiplos e intensos contrastes dos outros. Assim, a proposta é que 'trastes' de todo tipo invadam o nosso blog e proliferem as traquinagens que fertilizam os nossos corpos alegres, dançantes, embriagados.
Artes (com) trastes e traquinagens espera ser um agradável cantinho,para os chegados, os estranhos,os nômades e os trastes de todo tipo ou ideais.

Sejam Bem Vindos!


Sayô & Shara



online




:: Jorge Vecilo :: Fácil de Entender ::



"Poema é lugar onde a gente pode afirmar que o delírio é uma sensatez."
(Manoel de Barros)


"Pelos meus textos sou mudado mais do que pelo meu existir."
(Manoel de Barros)


"Sabedoria pode ser que seja ser mais estudado em gente do que em livros."
(Manoel de Barros)


"Quem se encosta em ser concha é que pode saber das origens do som."
(Manoel de Barros)


Visitante Número